Lideranças da Maré e de Manguinhos, no Rio, vão divulgar processo seletivo para o Censo 2020 nas comunidades

Editoria: Censo 2020 | Da redação

05/11/2019 14h47 | Atualizado em 11/11/2019 14h20

Lideranças comunitárias dos complexos de favelas da Maré e de Manguinhos, na Zona Norte do Rio de Janeiro, vão estimular moradores de suas comunidades a participarem do próximo processo seletivo para o Censo Demográfico 2020, em que serão oferecidas vagas para o cargo de recenseador, profissional que coleta os dados da população diretamente nos domicílios. A seleção vai ocorrer no próximo ano.

Os líderes comunitários participaram de uma Reunião de Planejamento e Acompanhamento do Censo 2020 (Repac), realizada pela Unidade Estadual do Rio de Janeiro (UE/RJ) no dia 24 de outubro, no auditório da 4° Coordenadoria Regional de Educação, no bairro de Olaria. No encontro, que também teve participação de chefes das Coordenadorias Regionais de Educação, da 30ª Região Administrativa da Prefeitura do Rio e de Clínicas da Família, Gabriel Teixeira Barros, coordenador operacional do Censo, apresentou detalhes da operação censitária na região.

Entre os assuntos que mais despertaram a curiosidade do público, a presença de facções criminosas em guerra permanente, entre si e com as forças de segurança, foi apontada como uma realidade que influenciará o serviço de entrevistas e coleta de dados para o Censo. Moradores também destacaram que a desordenada aglomeração urbana, como casas de três andares espremidas em corredores com quitinetes precárias e becos sem saída, tende a dificultar o acessos dos recenseadores.

“Por isso, a nossa preferência é que as pessoas que morem em comunidades se inscrevam no processo de seleção para trabalhar naquela região devido às suas particularidades”, disse Reinaldo Benevenuti, coordenador do IBGE na área do bairro de Ramos. O processo seletivo foi o assunto que mais despertou interesse no público, já que se trata de uma oportunidade para muitos obter um emprego.

Gabriel Teixeira alertou, contudo, que não há garantia de que moradores dessas comunidades, se aprovados no processo seletivo, atuarão nos locais onde moram. “Existe a delimitação de uma área onde a pessoa vai trabalhar. Espera-se que a maior parte dos inscritos seja do lugar, mas não há garantia, daí a importância da divulgação. É interessante já comunicarem nas escolas da Maré que vai ter o concurso em março de 2020. Sugiro que peguem o edital de 2010, vejam as matérias que caíram para iniciar os estudos, e passem essas informações aos jovens, já que o concurso é de nível fundamental, então, o pessoal do ensino médio pode participar”, afirmou ele.

"É importante que divulguem o processo seletivo dentro das comunidades para que uma maior quantidade de pessoas da região consiga ser aprovada", disse Elida Cordulino Fernandes, assessora do gabinete da Superintendência Regional de Ramos. Sugestões para divulgar o processo seletivo não faltaram. Muitos disseram que farão as divulgações em grupos de WhatsApp e Telegram. Outros sugeriram a rádio comunitária, para o compartilhamento das notícias sobre o Censo 2020.

O chefe de gabinete da Superintendência de Ramos, Rogério Ferreira Lima, encerrou o encontro pedindo que as lideranças divulguem ao máximo as informações divulgadas no encontro. “Muitas melhorias podem vir através do Censo se ele for feito corretamente”, disse.